AVC como a maior causa de morte cardiológica

AVC como a maior causa de morte cardiológica

AVC como a maior causa de morte cardiológica

No dia 29 de outubro é comemorado o Dia Mundial de combate ao Acidente Vascular Cerebral. No País são 400 mil casos de AVC por ano no e 100 mil mortes. Apesar desses números preocupantes, muita gente ainda têm dúvidas sobre o assunto e desconhece as principais causas, sintomas e maneiras de prevenir essa enfermidade.

É uma séria condição médica que acontece quando o suprimento de sangue que vai para o cérebro é rompido. Isso acontece porque, como todos os órgãos, o cérebro, para funcionar adequadamente, necessita de oxigênio e determinados nutrientes que provêm do sangue. Portanto, quando há um rompimento no fluxo sanguíneo, as células do cérebro começam a morrer, ocasionando diversos problemas cerebrais, podendo até chegar à morte.
Existem alguns sintomas que podem ajudar a identificar este problema rapidamente, como:
1) Dor de cabeça intensa que surge de repente;
2) Diminuição da força de um dos lados do corpo, que é visível no braço ou na perna;
3) Perda da sensibilidade de uma parte do corpo, não identificando o frio ou calor, por exemplo;
4) Alterações da visão, como perda parcial da visão ou visão embaçada;
5) Rosto assimétrico, com boca torta e sobrancelha caída;
6) Dificuldade para levantar o braço ou segurar objetos;
7) Fala embolada, lenta ou com um tom de voz muito baixo e muitas vezes imperceptível;
8) Movimentos incomuns e descontrolados, como tremores;
9) Sonolência ou mesmo perda de consciência;
10) Perda de memória e confusão mental.

Até 3 horas depois do ocorrido, é possível reverter a maior parte dos danos causados pelo AVC. Depois disso, no entanto, as lesões cerebrais dificilmente podem ser tratadas.

Compartilhar: